28 abril 2008

Um sol abrasador. Encontrámos a sombra de um pinheiro, mais um banco de jardim, junto às muralhas de Elvas. A L. dormia. Sugeri que repartíssemos a revista Ler, para passarmos o tempo. O acto de rasgar um livro ou uma revista é contrário à natureza da J., tão grave como pintar uns bigodes à Mona Lisa. Pouco convencida com a minha argumentação utilitarista, exigiu que, pelo menos, a dividíssemos exactamente a meio, para expiar a culpa de um acto selvagem com alguma lógica matemática. Quarenta e oito páginas para cada um. Tive azar, calhou-me a metade com a entrevista a Lobo Antunes. O acto fez-me recordar-lhe o (meu) velho projecto de lermos um livro ao mesmo tempo. Um começaria primeiro e, à medida que fosse avançando, ia rasgando as páginas e dando-as ao outro. Um gesto prolongado de intimidade.

2 comentários:

J. disse...

Que livro te apetece ler a seguir?

Vìtor Matos disse...

Sugiro que rasguem um do Lobo Antunes. Eu posso emprestar o último que li até mais de meio.